banner-dpoc5

DPOC

A DPOC ou doença pulmonar obstrutiva crônica, agrupa duas enfermidades diferentes: a Bronquite Crônica e o Enfisema Pulmonar. Esta sigla é utilizada porque a maioria dos pacientes apresenta uma combinação das duas doenças. Em ambas acontece uma inflamação crônica. Na Bronquite, a inflamação se dá nos brônquios, causando grande produção de muco. No Enfisema, os alvéolos (parte final do pulmão onde ocorre a passagem do Oxigênio para o sangue) se inflamam, causando destruição do tecido e formação de pequenas bolhas.

A causa mais comum da DPOC é o tabagismo, sendo responsável por 90% dos casos, seguido por exposições prolongadas a poeiras, poluição ambiental e até fatores genéticos.

O paciente com DPOC, apresenta dificuldade na movimentação do ar pelos brônquios e na oxigenação do sangue, além de ter uma produção de catarro aumentada.

Os sintomas inicias em geral são: tosse e expectoração crônicas, seguidos de falta de ar quando em esforço físico. Estes sintomas, evoluem progressivamente. A falta de ar passa a dificultar até atividades simples como se vestir e tomar banho.

A saturação do oxigênio do sangue pode cair e a taxa de gás carbônico aumentar, causando cansaço, falta de concentração e sobrecarga do coração.

Embora seja uma doença crônica, é possível controlar os sintomas e prevenir crises através do acompanhamento médico.

O tratamento da DPOC baseia-se em:

  • Uso de medicamentos
  • Fisioterapia Respiratória
  • Oxigenoterapia – É o principal tratamento para melhorar a qualidade de vida de pacientes portadores de DPOC, que apresentam hipoxemia, mantendo dessa forma a saturação de oxigênio acima de 90%.

Portadores de DPOC sem tratamento, sofrem com crises freqüentes, conhecidas como exacerbações. Elas são caracterizadas pelo agravamento dos sintomas e na maioria das vezes, acabam em internações hospitalares.

A DPOC é uma doença que pode ser prevenida e tratada. O ideal seria que a avaliação pulmonar fosse incluída nos check-up(s) anuais, para que fosse diagnosticada na fase inicial e seu tratamento iniciado mais precocemente, garantindo dessa forma, mais qualidade de vida para seus portadores.